quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Olho humano assassino


Há muito tempo se sabe que algumas pessoas podem ter um olhar assassino. Uma história realmente sensacional aconteceu no início do século passado, em Paris. O cantor lírico, Massol, era conhecido por sua expressão facial, sempre com as sobrancelhas franzidas e olhar melancólico, era muito popular no começo do século XX e fazia sucesso na França e na Itália até que durante a apresentação de uma ária de temática fúnebre, quando o cantor tinha os olhos fixos no teto do teatro, um técnico que trabalhava naquele local caiu das gambiarras (hastes posicionadas no teto que sustentam refletores e outros dispositivos cênicos) e morreu instantaneamente. Num outro dia, durante a mesma ópera, o cantor fixou o seu olhar sobre no maestro. Ele sentiu-se imediatamente doente e morreu, em poucos dias, de um ataque nervoso incomum. A essa altura, Massol, prevenido e desconfiado, determinou-se a manter sempre um lugar vazio na platéia e fixar somente ali o seu olhar. Mas enquanto ele cantava distraído, um comerciante de Marselha, por alguma razão sentou-se no lugar pré-fixado. Pois bem, o comerciante morreu no dia seguinte após a execução da ópera. Depois de tantas mortes trágicas supostamente causadas pelo olhar sombrio do cantor, a ópera fatídica foi retirada do repertório e o cantor Massol banido do palco.
Iogues indianos e monges tibetanos submetem-se a um longo treinamento a fim de desenvolver este poder, conhecido como Vashitva e que deve ser usado como defesa contra ataques de inimigos.
Os historiadores dizem que o escritor russo Leão Tolstoy radiografava as pessoas quando falava com elas. Dizem também que o olhar de Joseph Stalin podia paralisar as pessoas e fazer com que elas abaixassem seus olhos sob a sua vontade.
Existem pessoas que podem até impressionar mentalmente filmes fotográficos. Na presença de uma comissão especial de pesquisadores, o paranormal americano Ted Sirius fixou seus olhos numa imagem para memorizar todos os seus detalhes e, em seguida, desviou os olhos para uma chapa fotográfica. Quando o filme foi revelado, a comissão encontrou uma imagem semelhante ao original. Mais tarde, peritos registraram fenômenos semelhantes com as pessoas que sofrem de fortes alucinações visuais.
Oleg Dubov, doutor em ciências físicas, colocou numa ampola uma porção de água destilada e selou, depois fixou sua mente na água contida no interior da ampola. Quando as características físicas da água foram medidas, o investigador ficou surpreendido ao saber que a molécula da água teve a sua condutividade aumentada.
Antigamente não havia dúvida alguma de que era possível colocar um mal olhar em alguém e que isto era uma arma muito forte nas mãos (olhos) de pessoas tidas como bruxas. Havia uma lista de doenças que poderiam ser causadas por estes olhares malignos: tonturas, tumores, paralisia, convulsões, cegueira, gula, impotência, insônia, náuseas, dores de cabeça e epilepsia. Segundo os antigos as pessoas agredidas sentem um mal estar instintivo, uma sensação de medo antes dos sintomas começarem a se manifestar. Então, a maldição se manifesta.
Vladimir Hokkanen, diretor do Wave Information Technologies Institute, diz que um olhar pode ser realmente mortífero ou, pelo menos, insalubre. Com efeito, numerosas experiências provaram que a vista humana é uma fonte de um forte impulso biológico. Os olhos emitem uma emanação de alta freqüência e, portanto, pode afetar as outras pessoas. Isso explica por que muitos de nós sentimos o “peso” do olhar de uma pessoa que está atrás de nós.
Um membro da Academia Russa de Ciências, Doutor em Biologia, Grant Demirchoglyan, diz que como qualquer sistema único óptico-eletrônico o olho humano tanto recebe como emite sinais. O retorno da radiação do olho é a curto prazo e pode ser assim tão penetrante como o raio-X ou um laser. Ela pode influenciar o sistema nervoso central, o cérebro e todo o corpo em geral. Se peritos conseguiram provar que o poder dos olhos humanos é da mesma natureza que o de um laser, temos de acreditar que personagens fictícios, capazes de pelo olhar queimar um ser humano até torná-lo um monte de cinzas, realmente existem.