segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Obra de engenharia além da nossa compreensão

O segredo das antigas civilizações para erguer seus grandes e fantásticos monumentos sem a ajuda de equipamentos sofisticados está bem próximo de ser desvendado: o antropólogo peruano Francisco Aliaga está anunciando a descoberta da fórmula de uma mistura de ervas usada pelos incas para dissolver pedras. Até aqui, ainda intrigam as enormes pirâmides egípcias, o Templo de Baalbek, no Líbano, as gigantescas estátuas da Ilha da Páscoa, e outros monumentos.

Os cientistas ficam perplexos diante das construções incas, sem conseguir entender como as pedras foram cortadas, moldadas, transportadas e erguidas se este povo sequer conhecia o ferro e só empregava ferramentas de bronze. Entre as inúmeras especulações, chega se a dizer que os antigos (talvez até com a ajuda e o know how de extraterrestres) haviam descoberto uma maneira de acabar com a força da gravidade, tornando assim os objetos mais leves para o transporte. Para outros, tais construções são obras de seres de outros planetas que estiveram entre nós.

Aliaga, que examinou com um microscópio amostras de pedras tiradas dos monumentos incas, disse que encontrou nelas resíduos de vegetais que, segundo supõe, fazem parte da mistura de ervas. Para o antropólogo, os incas usavam a mistura para dissolver as pedras ao invés de cortá las , amolecê las e depois moldá las. A partir daí ele explica o mistério dos monumentos de Cuzco, no Peru, feitos com pedras enormes que se encaixam perfeitamente umas às outras, sem falhas. Francisco Aliaga, que trabalha no Centro de Investigações de Paris, comunicou sua descoberta durante palestra na Universidade Nacional de Engenharia, em Lima.

Ao lado. O templo de Baalbek no Líbano.

Ele disse que as ervas usadas são peruanas, mas admite a possibilidade de outros povos as conhecerem.