quinta-feira, 25 de abril de 2013

O ouro da Iuguslávia nas mãos dos maçons


Foi no dia 14 de janeiro de 1953, há exatamente 60 anos, que o marechal Tito se tornou presidente da Iugoslávia, mas ainda hoje muitos historiadores dizem que ele andou a construir o socialismo na Iugoslávia se apoiando no ouro da dinastia real dos Karadordevic. O destacado dirigente da Internacional Comunista Maurice Thorez e o líder da URSS Josef Stalin entregaram ao marechal o enorme patrimônio da antiga Iugoslávia. Quando esse dinheiro acabou, a Iugoslávia se desmoronou. Os companheiros do “duce” enganaram o próprio Hitler A misteriosa história das reservas de ouro do Reino da Iugoslávia começa na primavera de 1941, quando os aviões da Luftwaffe largavam diariamente milhares de bombas sobre Belgrado. Já era evidente que faltava pouco para que Hitler ocupasse o país. O rei da Iugoslávia, Petar Karadordevic de 18 anos, decide em conjunto com o seu governo retirar da capital todas as reservas de ouro estatais, primeiro para o Montenegro e depois para o Egito. As 60 toneladas de metal precioso foram embaladas em 1300 malas de madeira. Um trem especial de 57 vagões começou sua viagem cumprindo todas as medidas de segurança. O “trem do ouro” necessitou de precisamente um mês para chegar até ao porto de Kotor no mar Adriático. Juntamente com as reservas estatais, Petar Karadordevic e a sua comitiva transportaram também muitos valores e divisas pessoais. Eles não conseguiram carregar o ouro no navio, os fascistas italianos já tinham ocupado o Montenegro. Nas montanhas, onde em tempos os hajduk (bandoleiros) escondiam o produto dos roubos, encontraram uma gruta, onde esconderam as 60 toneladas de ouro do Reino da Iugoslávia. O rei Petar levou consigo apenas uns trocados para despesas pessoais e fugiu para Londres. Os italianos estiveram convencidos até 1943 que o ouro tinha sido transportado para o Egito, até que alguém denunciou a caverna aos fascistas. Mussolini ordenou imediatamente que esse ouro fosse transportado para Roma sem, é claro, ter informado o seu aliado Adolf Hitler. A operação “Ouro” foi chefiada pelo jovem fascista Licio Gelli. Este viajou até Trieste, evitando o controle dos alemães, num trem sanitário especial que alegadamente transportava 73 soldados doentes com varíola. Ele entregou oficialmente 8 toneladas do metal precioso ao gerente do banco estatal italiano, escondendo as restantes 52 toneladas. Gelli se estava preparando para viver no novo regime. Como os comunistas e os maçons dividiram o ouro Nos finais de 1944, Licio Gelli se encontrou com o líder dos comunistas italianos, e amigo de Stalin, Palmiro Togliatti que nesse tempo era membro do governo de coalizão da Itália. O camarada Togliatti pediu a reabilitação do antigo fascista, pelo que Gelli entregou a Togliatti 27 toneladas de ouro, não tendo informado que tinha roubado na Iugoslávia 60 toneladas e ficando com as restantes 25 toneladas do tesouro. Depois do fim da Segunda Guerra Mundial, Palmiro Togliatti entregou a “prenda” de Licio Gelli ao novo dono da Iugoslávia, Josif Broz Tito. Assim, a base financeira para o arranque do país em direção ao amanhã comunista era bastante sólida. Stalin e Togliatti ajudaram Tito a consolidar o seu poder. Já depois de se ter zangado com Moscou em 1948, Tito recebeu igualmente dos EUA 30 bilhões de dólares a fundo perdido. Até ao fim dos seus dias, o marechal Tito idolatrou o ouro, adorando joias e luxos.


Esse assunto pode lhe interessar.