quarta-feira, 25 de março de 2009

A profecia Maia II

É possível que algum leitor tenha dado pela minha ausência por causa da falta de postagem aqui no blog. Mas é que estive envolvido em uma pesquisa muito interessante e que vale a pena conhecer. Em Novembro de 2008 publiquei uma matéria sobre a Profecia Maia, de forma muito resumida, veja aqui. Mas como o tempo é o mestre de todas as dúvidas, um material muito bom, fornecido por um amigo,"coincidentemente", veio cair em minhas mãos, e por estar em Inglês, levei algum tempo para traduzir, é possível que em alguns trechos a tradução se torne incompreensível, mas posso lhe afirmar que em hipótese alguma o entendimento geral do trabalho de pesquisa será afetado, mesmo que você seja um leigo, haverá de ficar estarrecido com o que vai ler aqui. Como o texto ficou deveras longo, achei por bem dividir em partes, facilitando assim a sua leitura e o seu acompanhamento. Desde já, agradeço sinceramente sua visita.

Porque é que os antigos maias ou pré Maia escolheram 21 De dezembro de 2012 dC, como o fim de seu calendário de longa Contagem? Este artigo irá cobrir algumas pesquisas recentes. Estudiosos têm conhecido há décadas que o 13-baktun ciclo dos Maias, sistema "Long Count" de cronometragem, foi definido para terminar precisamente sobre um Solstício de Inverno, e que este sistema foi posto em prática há 2300 anos atrás. Este fato surpreendente da antiga Mesoamérica desenvolvido pelos observadores do céu, fora capaz de identificar um solstício de inverno no futuro distante. E porque é que eles escolheram o ano de 2012? De imediato, surge a impressão de que há um mistério muito estranho para ser confrontado aqui. Eu vou estar aproveitando uma pista para este mistério relatada pela epigrafista, Linda Schele no Maya Cosmos (1994). Este artigo é o corolário natural da investigação relativa aos maias e sua Longa contagem e da precessão do equinócio explorado no recente livro Tzolkin: Perspectivas Visionárias, Estudos do calendário (Ciência e Borderlands Research Foundation, 1994).
A longa contagem Maia
Apenas algumas noções básicas: Seu Período Clássico Pensa-se que durou de 200 dC a 900 dC, mas recentes descobertas arqueológicas estão empurrando para trás a aurora da civilização Maia na América Central. Grandes sítios foram encontrados indicando a alta cultura maia, distintamente com antecedentes estão sendo encontrados na selva da Guatemala, que remonta para antes da era comum. E mesmo antes da civilização Olmeca florescer, já haviam desenvolvido a sagrada contagem de 260 dias conhecido como o tzolkin.
Existem dois sistemas diferentes de contagem, o "Short Count" e o Long Count. A curta contagem, tzolkin resultado da combinação do ciclo do ano solar e do ciclo de 584 dias Vênus. Desta forma, "curto" períodos de 13, 52 e 104 anos são gerados. Infelizmente, não teremos espaço para nos debruçarmos sobre as propriedades da chamada curta contagem aqui. O sistema de longa contagem é um pouco mais abstrato, mas também está relacionado a certos ciclos astronômicos de relevância.
Ele é baseado em ciclos aninhados em dias, multiplicado em cada nível, por essa chave maia, de número vinte:
Número de Dias / Termo
1 dia/ Kin
20 dias / Uinal
360 dias/ Tun
7200 dias / Katun
144000 dias/ Baktun
Repare que a única exceção a Multiplicar por vinte está no nível tun, onde o período uinal é multiplicado por 18 em vez de 20 para fazer o 360-tun dias. Os Maias empregaram este sistema de contagem para monitorar uma sequência ininterrupta de dias a partir do momento em que foi iniciada.
O estudioso dos Maias Munro Edmonson, acreditam que a contagem longa foi posta em prática em torno de 355 aC. Isso pode ser verdade, mas a mais antiga longa contagem, data da época que corresponde a 32 aC. Por exemplo: 6.19.19.0.0 equivale a 6 baktuns, 19 katuns, 19 Tuns, 0 uinals e 0 dias. Cada baktun tem 144,000 dias, cada um tem 20 Katun de 7.200 dias, e assim por diante. Se somarmos todos os valores que nós achamos 6.19.19.0.0 indica um total de que 1007640 dias tenham decorrido desde a Data de Zero 0.0.0.0.0. A tão discutida 13-baktun ciclo é concluído 1872000 dias (13 baktuns) após 0.0.0.0.0. Este período de tempo é chamado pelos Maias de "Grande Circular" da Longa Contagem e equivale a 5125,36 anos.

Mas como é que estamos associando a este um período de tempo, de maneira que possamos compreender? Como é que essa contagem longa se correlaciona com o nosso calendário gregoriano? Este problema de correlação com o tempo Maia “ocidental" ocupou os estudiosos desde o início. A norma passou a responder a pergunta: o que é que 0.0.0.0.0 (O "início" da longa contagem) equivalente no calendário gregoriano? Quando esta pergunta é respondida, inscrições arqueológicas podem ser colocadas em seu próprio contexto histórico e a data de término da baktun a 13-ciclos pode ser calculado.
Depois de anos de análise de dados de diferentes domínios, como a astronomia, a etnografia, iconografia e Arqueologia, J. Eric, S. Eric, S. Thompson determinaram que 0.0.0.0.0 corresponde à data juliana de 584.283, o que equivale a 11 agosto, de 3114 aC no nosso calendário Gregoriano. Isto significa que, a data de término da contagem 13.0.0.0.0, é cerca de 5125 anos mais tarde, ou seja, 21 De dezembro de 2012 aD. A relação entre a curta e a longa Contagem sempre foi internamente consistente (ambas foram monitoradas ao lado uma da outra em uma sequência ininterrupta desde a sua concepção). Agora, é muito interessante notar que um aspecto da "Breve contagem", ou seja, a tzolkin, sagrada contagem de 260 dias, ainda é usada nas terras altas da Guatemala. Como o estudioso Maia, Munro Edmonson mostra em O Livro do Ano, este último sobrevivente de um calendário, mantém essa tradição há aproximadamente 3000 anos, Thompson apóia a correlação de 584.283. Edmonson também afirma que a Longa Contagem foi iniciada pelos pré-Maia, Maia ou em torno de 355 aC, mas há razões para crer que a longa contagem foi iniciada, pelo menos, 200 anos antes dessa data.
O ponto de interesse para esses astrônomos parece ter sido projetado a data de término em 2012 dC, e não a data do início em 3114 aC. Tendo determinado a data final em 2012 (por razões que vamos chegar adiante), e chamá-lo 13.0. 0.0.0, proclamou-se a eles, assim, estar vivendo no 6. baktun do Grande Ciclo. Mais tarde os Maias incorporaram significados mitológicos ao início da data, relacionando-a ao nascimento de seus deuses. Porque escolheram uma data certa 2300 anos no futuro? E como é que eles precisamente identificaram um Solstício de Inverno? Com todas essas considerações podemos suspeitar que, por alguma razão, os antigos astrônomos Maias foram levados a monitorar essa precessão.
A Precessão
A precessão do Equinócio é, causada pela lentidão do movimento cambaleante do eixo da Terra. “Agora esse eixo aponta para as cercanias de Polaris, a Estrela polar “, mas isso muda lentamente ao longo de grandes períodos de tempo. Esse movimento cambaleante do eixo da Terra é a causa das posições sazonais trimestrais contra o fundo de estrelas, são as estações do ano.
Por exemplo, se o Solstício de Inverno está na posição da constelação de Sagitário, há 2000 anos atrás ele estava em Capricórnio. O grego Astrônomo Hipparchus foi o primeiro a descobrir a precessão em torno de 128 aC . Há indícios que culturas mais antigas do Velho Mundo, como os egípcios (ver Schwaller Lubicz o livro da Sagrada Ciência) e babilônios também sabiam da precessão.
Esta posição em relação ao fundo de estrelas, poderia ser preservada com precisão, oralmente ou visto em ensinamentos de sabedoria a ser transmitida ao longo dos séculos. Essa precessão irá alterar essa posição, à taxa de 1 grau a cada 72 anos, dentro de um período de tempo relativamente curto de 100 anos ou mais, um aviso de mudança teria ocorrido. O que se pretende mostrar, é que para uma cultura precoce, adaptada aos sutis movimentos do céu, registrar uma precessão não teria sido difícil.

Esse post tem continuação.