sexta-feira, 26 de junho de 2009

Como localizamos a origem de um som

DE ONDE VEM ESSE BARULHO?: Pesquisadores dizem que uma região do cérebro chamada plano temporal processa onde um determinado som ocorre no ambiente, seja ele esperado ou não

Uma tática comum para encontrar um celular perdido é ligar para o aparelho e sair à sua caça, seguindo a direção do toque da campainha.
Estudos anteriores indicam que a região do cérebro chamada plano temporal (localizada acima e atrás do córtex auditivo) é a responsável por localizar os sons no espaço – pelo menos quando ficamos atentos a eles.
Agora os cientistas conseguiram demonstrar que o plano temporal se ativa automaticamente quando existe um barulho, mesmo se não estamos prestando atenção a ele. Por exemplo, essa região do cérebro entra em ação se um telefone toca no quarto e você está assistindo televisão na sala de estar.
"O espaço é um parâmetro que unifica os diferentes sentidos, e nos permite juntar informações a partir da visão e audição, por exemplo:quando a localização da fonte é mesma", explica Leon Deouell, neurocientista da Universidade hebraica de Jerusalém e co-autor do estudo publicado na revista "Neuron". "Foi muito importante mostrar que o plano temporal faz o trabalho mesmo ‘na surdina’, quando você não tem intenção de ouvir ou localizar um som".

Essa habilidade permite às pessoas desviar a atenção para a fonte que está emitindo o "novo" som e reagir propriamente – como, por exemplo, responder a saudação de um vizinho que está passando, ou sair correndo ao ouvir o barulho de um urso à distância.
A equipe também contava com cientistas da University of California, em Berkeley, e do Instituto Weizmann de Ciência em Rehovot, em Israel. Os pesquisadores contam que atingir uma alta qualidade na transmissão de som para as 13 pessoas do estudo foi uma tarefa dolorosa. Para evitar a interferência do som do equipamento de ressonância magnética (fMRI), os cientistas tocavam sons entre cada varredura, para que houvesse um ambiente com som inalterado.

(Como o fMRI mede o fluxo sangüíneo em uma parte do cérebro em resposta a uma atividade elétrica, há um pequeno atraso que os pesquisadores conseguiram explorar ao fazer a varredura imediatamente após o som ser emitido). Com a ajuda de fones de ouvido modificados para que pudessem trabalhar junto com o escâner da máquina, os cientistas também usaram sons da natureza combinados, como o barulho de água e de coaxar de sapos. "Os sons de natureza possuem várias freqüências, e estimulam o córtex cerebral muito mais que os tons puros", explica Deouell.
Os estudos foram feitos sob medida para cada uma das pessoas do estudo. Para começar, antes de entrar na máquina de fMRI, os participantes ouviram todos os sons que seriam usados, e foi realizada uma gravação dentro do ouvido de cada pessoa. "O efeito foi muito interessante. Ao testarmos os sons quando as pessoas estavam fora da máquina, muitas vezes elas viravam, à procura da fonte que emitia o som," Deouell conta. "Eles não acreditavam que os sons eram provenientes dos fones de ouvido, e não do ambiente externo".

Deouell e sua equipe realizaram uma série de experimentos, cada um incluindo distrações e orientação sonora diferentes. Na primeira configuração, as pessoas assistiam a um filme mudo, enquanto sons eram tocados pelos fones de ouvido e seus cérebros passavam pelo imageamento do fMRI. Em outra configuração, foi solicitado que eles ficassem apertando um botão para manter sua atenção ocupada.
Em cada caso, toda vez que a localização da fonte sonora era modificada, os indivíduos apresentavam uma aumento da atividade cerebral no plano temporal. Se o som se movia para um número maior de lugares, a atividade se intensificava.
Deouell tem planos de estudar mais a fundo o plano temporal para verificar quão próximos os sons podem ficar uns dos outros antes que a região os interprete como não-distintos, e se sua atividade pode ser sobrepujada por outra parte do cérebro, quem sabe durante uma tarefa que não permita nenhum tipo de distração.

Veja no que pode ser usado os resultados uma inocente pesquisa como essa, aqui.