terça-feira, 21 de dezembro de 2010

A visão coletiva de Zeitun

"Investigações oficiais foram levadas a cabo, e como resultado foi considerado um fato inegável: A Virgem Maria tem aparecido na Igreja Católica Ortodoxa Coopta de Zeitun em um corpo luminoso, claro e com feições definidas, visto na parte frontal (do templo) por todos os presentes da igreja, seja cristãos ou muçulmanos "
Relatório do Departamento Geral de Informações de zeitun, Egito 1968.
Egito, 1968. Um conflito religioso entre cristãos de várias denominações e muçulmanos, onde inclusive as casas de todos os cristãos eram marcadas com uma cruz vermelha, como um sinal de que ali havia inimigos a serem massacrados, sugeria a preocupação por uma guerra civil sem precedentes, a paz só parecia possível à custa de um milagre e ele aconteceu. Enquanto todo o mundo está hipnotizado pela queda do colosso americano no Vietnã ou preocupado com a guerra fria, os olhos do mundo não estavam voltados para o provável banho de sangue que ocorreria no Egito. Nesse contexto de desolação para os cristãos, a Mãe de Deus começou a aparecer para milhares de pessoas na terra das pirâmides em uma igreja coopta construída para relembrar a provável passagem da Sagrada Família por aquela região quando em fuga de Herodes.
As aparições tiveram início em abril de 1968 e mudaram as vidas de milhares de pessoas de todas as religiões e até ateus, Ela estava à vista de todos. Tudo começou quando o arquediácono daquela Igreja, Youssef Kamell visualizou uma jovem no domo da capela junto à cruz e começou a apontar e gritar pensando ser uma moça tentando suicídio, várias pessoas se acumularam diante da Igreja, quando por perto passava um grupo de cristãos que vendo aquela jovem cercada de tanta luz gritaram: "É Maria! É a Mãe de Deus!", naquele momento Ela flutuou até a parte central acima do pórtico do templo, virou-se na direção deles, sorriu lindamente e os abençoou.
Ela foi vista por mais de um milhão de pessoas. Católicos, ortodoxos, protestantes, muçulmanos, milhares de crentes e não-crentes experimentaram as aparições, dessa vez não eram santos ou confidentes, mas gente do povo, milhares de pessoas e não houve teoria que explicasse o que ocorria aos olhos de todos que quisessem ou não ver a verdade dos fatos, Maria realmente aparecia e as aparições eram transmitidas via radiodifusão ou pela TV egípcia, foi fotografada por centenas de fotógrafos e foi pessoalmente testemunhada pelo presidente egípcio Abdul Nasser, um marxista declarado. As aparições duraram 2 anos com numerosas curas registradas por vários profissionais médicos e cientistas. A polícia local que inicialmente pensou que as aparições seriam uma brincadeira ou uma fraude, vasculhou todo o local e arredores e não descobriu qualquer tipo de dispositivo que poderia ser usado para "projetar" tais "imagens". O que estava acontecendo era real, doentes, seja cristãos ou muçulmanos receberam a cura, cegos recuperavam a vista, coxos andavam, ateus eram convertidos, milhares de curas do corpo e da alma, além do efeito mais magnífico, o conflito entre cristãos e muçulmanos cessou.