sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Publicações científicas a serviço do poder

Os Herdeiros de Comte
tólicos queimaram Giordano Bruno . Os protestantes fizeram o mesmo com Miguel Servet .

 Era o fim da cauda de um poder aparelho repressivo em declínio. Outra fonte de verdades e certezas começaram a assumir. E o profeta do positivismo, Auguste Comte , chamava a atenção para o método como a única fonte de dogma de que "religião científica da humanidade" que podia resgatar o Ocidente do"caos e anarquia." Cento e cinquenta anos depois, a ciência tem investido com os mesmos poderes que terminou com Bruno e Servet. Comte como seria de se esperar, é a fonte de dogmas indiscutíveis.E o mecanismo fundamental pelo qual revela a palavra da nova religião são as  publicações científicas.
 

Um problema estrutural
 Se estudos publicados por revistas científicas, trazem declarações dos editores e uma análise de suas relações com a indústria farmacêutica a concluir que a manipulação e falsificação de dados, é uma prática  possível e sem sensura, sujeita a perversões metodológicas e moral.  Não  são eventos específicos que figuram assim desonesto, mas um problema estrutural decorrente do papel da ciência como um defensor do Poder. A evidência é esmagadora: Estudo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) pelo Dr. Jim Nuovo :
Comentários 359 estudos sobre novos medicamentos, publicados entre 1989 e 1998 considerados revistas de prestígio - o mesmo JAMA, The New England Journal of Medicine, The Lancet, The British Medical Journal e Annals of Internal Medicine - estatísticas mostram que apenas 26 deles tinham publicado realmente os efeitos de tratamentos em pacientes.
Ou seja, mentiram ou deturparam  333 estudos de dados. Estudo publicado no JAMA por Lisa M. Schwartz e Steven Woloshin :Comunicados,  a  imprensa analisou seis números consecutivos da revista The Lancet, British Medical Journal e JAMA - em 127 relatados, os autores concluem que as revistas escrevem "freqüentemente" exageros e ocultam dados. Significativamente, apenas 22% mencionaram o financiamento da indústria farmacêutica, a que estavam vinculados.
  Ampla e Wade (em "Traidores da Verdade." New York, NY: Simon and Schuster, 1982) analisaram diversos estudos que mostram uma absoluta falta de critérios ao recomendar artigos para publicação.
Declarações do editor de uma das revistas mais importantes do mundo:
O editor do British Medical Journal (BMJ), acaba de realizar uma das mais duras declarações que podem receber a comunidade científica:
"A fraude de pesquisa clínica é como abuso infantil. Uma vez que se reconhece que tenha começado vemos como é comum. "
Richard Smith disse estas palavras durante a recente celebração do Primeiro Congresso Médico Internacional em Hong Kong.
 O editor do BMJ insistiu que ambos os métodos de detecção, investigação e resultados de ensaios clínicos, são desonestos e "absolutamente inapropriado", disse Richard Smith.
Casos de fraude incluem a fabricação de dados ou de fabricação completa do mesmo. O especialista salientou a necessidade de instituições para criar mecanismos para prevenir esta conduta antiética.
(Fraude em estudos científicos. Mundial, 13/12/98. Patricia Matey).
 "Muitos ensaios são muito curtos para ser relevante, e muitos estudos publicados coletados resultados positivos - há uma série de evidências negativas que nunca vê a luz do dia."
Falando na conferência anual do Royal College of Psychiatrists, Professor [Richard Smith] disse que muitos artigos científicos contradizem uns aos outros e é  quase impossível descobrir a correta.
Muito poucos médicos visitam  bibliotecas médicas, acrescentou, livros e revistas são "ferramentas muito primitivas de informação" e reduziu o uso durante as consultas. Também foi muito crítico do sistema de " peer review "que é usado para veto.
(Estudos Médicos Principalmente lixo. Medical Observer 24/7/98. Whyman Andy).
realidade da mídia
Na verdade, as publicações científicas não são apenas um caso de "Mass Media", com os seus próprios mecanismos e objetivos:

O cidadão comum acredita,
  • que o que lemos nos jornais, ouve  no rádio e vê na TV é real
  • realmente conduzir a carnificina no Iraque é legítima e é feito para proteger a liberdade, democracia e paz
  • realmente soldados na Palestina estão lutando contra terroristas
  • na verdade, proibir os partidos políticos para defender a democracia,
... E assim por diante.
Da mesma forma e pelos mesmos motivos, o leitor médio pensa de publicações científicas,
  • publicou o que é real
  • que decifrar o genoma humano vai erradicar a doença e fazer as coisas à la carte
  • que as vacinas têm sido usadas para parar de doenças infecciosas
  • há  o "HIV", que é dedicado a matar milhões de defesas das pessoas (embora não seja conhecido como)
  • A única solução é para encher de produtos químicos cada vez mais agressivos, que são fornecidos por benfeitores da humanidade - as empresas farmacêuticas - que pagam a quem desenvolver, fabricar, prescrever e divulgar

A catástrofe 
O que aconteceria se pessoas comuns ficassem cientes de repente que a informação recebida não é a verdade, mas é feita por aqueles que controlam o meios de comunicação ?
E se você decidir tomar conhecimento de que há relato honesto e independente, análise e informação alternativa ? simples: seria uma catástrofe. Seria impossível de suportar o peso da responsabilidade de ter de decidir:
Chavez é ditador um amigo de terroristas ou de um dos poucos que se atrevem a enfrentar Império? Saddam vai preparar a destruição do Ocidente em arsenais secretos sob as areias da Mesopotâmia, ou é o petróleo que Bush procura?
Etc ... E da mesma maneira:E se a camada médica ficasse de repente ciente de que a informação recebida não é a verdade,  mas é feita por aqueles que controlam essas revistas - em muitos casos são os mesmos que controlam o resto da mídia?
 E se você decidir tomar conhecimento de cientistas e pesquisadores que são honestos e independentes, oferecendo análises e resultados  alternativos?
A catástrofe seria reforçada pelo efeito rebote sobre o resto da sociedade, porque o nosso médico, ele seria igualmente impossível de suportar o peso da responsabilidade de ter de decidir:
Eles estão errados, os pesquisadores dedicados que recebem bilhões de dólares a cada ano, para publicar em revistas de prestígio e colher prêmios? 
Etc ...

A maior complexidade, maior a impunidade

 
A capacidade de questionar é inversamente proporcional à complexidade da coisa. Este não é um problema de conhecimento, mas a confiança no especialista -. Aquele ser que já sabe mais sobre menos e acaba por pura lógica sabendo tudo sobre nada A literatura científica regularmente cumprir sua missão de doutrinação da mesma forma a mídia de massa, apenas a um nível superior de complexidade e, por isso, com um maior nível de impunidade.E médicos (e outros profissionais , cujo trabalho está ligado de uma forma ou de outra, ao conhecimento científico), eles se apegam à sua fé - essas "ficções necessárias" de que falava Nietzsche - patético com as mesmas forças que fazem o cidadão comum para a televisão encíclicas.
RECURSOS NA INTERNET

Referências
BAUER, H. "Alfabetização Científica e Mito do Método Científico." VPI & SU: Departamento de Ciência e Tecnologia Estudos, Blacksburg, VA 24061.
  • TOLEDO BRAVO, Rafael. Questões éticas em publicações científicas. http://usuarios.bitmailer.com/rafabravo/fraude.htm, 1999.
  • EDITORIAL. Mascaramento, Blinding, revisão pelos pares e: The Blind Leading the Blind. Annals of Internal Medicine, 1 de janeiro de 1998. 128:66-68.
  • Feyerabend. Contra a inefabilidade cultural, objetivismo, o relativismo e outras quimeras. Arquipélago de 20. Primavera de 1995.
  • GALIMBETI, Umberto. A vontade de dominar. Arquipélago de 20. Primavera de 1995.
  • Herxheimer, A. Fazer revistas científicas mais ágil e responsável. Cientista. 20 de março de 1989:9, 11.
  • IBANEZ, Thomas. Retórica da ciência, da "verdade" e do relativismo. Arquipélago de 20. Primavera de 1995.
  • KOHN, A. "Falsos Profetas". New York, NY: Basil Blackwell Inc., 1986.
  • LOCK, S. e BEM, F, editors. Fraude e má conduta na pesquisa médica, 2 ª ed. Londres: BMJ Publishing Group, 1996.
  • MARTINEZ, Jerome. "Ciência e dogmatismo. O problema da objetividade em Karl Popper." Madrid, Cátedra, 1980.
  • Rennie, D. Problemas na revisão por pares e fraude: cleave sempre para o lado mais ensolarado da Dúvida. In: Balancing Act: Ensaios de Honra Stephen Lock. Londres, Inglaterra: Keynes Press, 1991:9-19.
  • SMITH, R. Tempo para enfrentar pesquisas má conduta. Muitos outros países estão a falhar Britai e para responder às evidências de má conduta. BMJ 1996; 312: 789-790.
  • Szasz, Thomas. "A Teologia de Medicina." Madrid, Tusquets, 1981.